Quem sou eu

Minha foto
PARÁ DE MINAS, MINAS GERAIS, Brazil
Muitas qualidades, muitos defeitos, mas é no equilíbrio que se leva a vida em frente. Desistir nunca, o ceú é o limite, e mesmo depois temos o espaço.

Mais Você-Ana Maria

Mais Você-Ana Maria

N.E.O.Q.E.A.V

N.E.O.Q.E.A.V
NUNCA ESQUEÇA O QUANTO EU AMO VOCE


MINHA MÃE ENIA

ENIA MELGAÇO

ENIA MELGAÇO

MÂE ,VOCÊ É UNICA PESSOA NO MUNDO QUE MERECE ESTA HOMENAGEM...

Toda e qualquer injustiça, revida com genuíno amor.Renuncia-se a si própria, não se importa com a dor.Quando ela se ajoelha, para pedir por um filho.Mobiliza o céu inteiro, que pára ante seu clamor.Oração de mãe Deus ouve, reconhece tal sentimento.Só ao Seu amor se compara tamanho desprendimento.Na vida dos filhos é benção, e do céu, a dádiva maior.Abre mão de seus anseios, jamais espera louvor.Do amor que lhes dedica nunca lhes imputa débitoVibra com suas vitórias, esquece o próprio mérito.Essa doce fera vive pra proteger sua prole.E se um deles se ferir, não há o que a console.Amor de mãe é pra sempre, como o amor de Deus.Com a força de uma leoa, ela defende os seus.Mesmo com a própria vida, disso não abre mão.Amor que nos impulsiona e acalanta o coração.


UM BEIJO CARINHOSO DE SUA FILHA
ZANZA

MÃE

MÃE
Mãe: palavra pequena, mas com um significado infinito, pois quer dizer amor, dedicação, renúncia a si própria, força e sabedoria. Ser mãe não é só dar a luz e sim, participar da vida dos seus frutos gerados ou criados. Obrigado por termos você

MINHA ETERNA PAIXÃO

MINHA ETERNA PAIXÃO

QUEM TE ENSINOU A NADAR?

terça-feira, 24 de março de 2009

Gosto de você


Gosto de gente com a
cabeça no lugar,
de conteúdo interno,
idealismo nos olhos
e dois pés no chão
da realidade.
Gosto de gente que ri,
chora,
se emociona com uma
simples carta,
um telefonema,
uma canção suave,
um bom filme,
um bom livro,
um gesto de carinho,
um abraço,
um afago.
Gente que ama e
curte saudades,
gosta de amigos,
cultiva flores,
ama os animais.
Admira paisagens,
poeira;
e escuta.
Gente que tem tempo
para sorrir bondade,
semear perdão,
repartir ternuras,
compartilhar vivências
e dar espaço para as
emoções dentro de si,
emoções que fluem
naturalmente de
dentro de seu ser!
Gente que gosta de fazer
as coisas que gosta,
sem fugir de compromissos
difíceis e inadiáveis,
por mais desgastantes que sejam.
Gente que colhe,
orienta,
se entende,
aconselha,
busca a verdade e
quer sempre aprender,
mesmo que seja de
uma criança,
de um pobre,
de um analfabeto.
Gente de coração
desarmado,
sem ódio e
preconceitos baratos.
Com muito Amor
dentro de si.
Gente que erra e
reconhece,
cai e se levanta,
apanha e
assimila os golpes,
tirando lições
dos erros
e fazendo redentora
suas lágrimas e
sofrimentos.
Gosto muito de
gente assim.......
e desconfio que é
deste tipo de gente
que DEUS também gosta!


Artur da Távola

segunda-feira, 23 de março de 2009

Pensei em você




Na noite passada pensei em você…
Visite: Mensagens, Papel de Parede, Videos Tanto pensei, que logo senti vontade de dar-lhe
um presente, não só um, mas vários.
Achei, porém que tinha que ser alguma coisa que
você gostasse ou que pudesse usar em
todos os lugares.
Assim foi que no dia seguinte, levantei-me mais cedo e
fui à cidade para encontrar tudo que imaginei.
Comprei SOL, CHUVA, VENTO, RISO e
apenas 50 gramas de LÁGRIMAS,
não tinha mais!
O balconista disse-me que estava tendo muita saída,
pois os clientes compravam muito.
Comprei um pacote de RAZÃO para você misturar
com SORRISO, comprei SINCERIDADE,
para você usar sempre.
Lá na loja havia um vidro enorme de COMPREENSÃO,
como o balconista disse… não estava tendo muita saída.
Então resolvi comprar tudo.
Comprei também vidros de ROMANTISMO e
GENTILEZA para você usar com pessoas queridas.
Sabe,
lá na loja havia um grande vidro de ORGULHO,
mas não lhe comprei porque você não usa.
Comprei pequenos pacotes de AMOR e PAZ,
juntamente com ESPERANÇA,
para você usar quando tudo parecer estar perdido.
Lá na loja havia algo muito triste:
vi muitas pessoas comprando SOLIDÃO,
chegou mesmo a faltar, tal era a saída desse produto.
Comprei ainda outros pequenos pacotes contendo
AMIZADE e COMPANHEIRISMO.
Finalmente comprei um CORAÇÃO para que você
possa guardar todos os seus presentes!
E… Depois de tudo isso que você ganhou…
Que você tenha um ótimo dia, uma ótima semana,
um ótimo mês, uma ótima vida!!!
E, nunca se esqueça de usar aquele
pacotinho de sorriso que te mandei!




Prego e tabua



Era uma vez um garoto que tinha um temperamento muito difícil... mentia muito...era egoísta e explosivo. Estava sempre fazendo alguém sofrer. Um dia ele recebeu um saco cheio de pregos e uma placa de madeira. O pai disse a ele que martelasse um prego na tábua toda vez que perdesse a paciência com alguém ou que sua vontade fosse contrariada.
No primeiro dia o garoto colocou 37 pregos na tábua. Já nos dias seguintes, enquanto ele ia aprendendo a controlar sua raiva e o seu egoísmo o número de pregos martelados por dia foram diminuindo gradativamente.
Ele descobriu que dava menos trabalho controlar sua raiva do que ter que ir todos os dias pregar diversos pregos na placa de madeira... Finalmente chegou um dia em que o garoto refletiu sobre os seus erros e não perdeu a paciência em hora alguma.
Ele falou com seu pai sobre seu sucesso e sobre como estava se sentindo melhor em não explodir com os outros e o pai sugeriu que ele retirasse todos os pregos da tábua e que a trouxesse para ele. O garoto então trouxe a placa de madeira, já sem os pregos, e a entregou a seu pai.
Ele disse: \"Você está de parabéns, meu filho, mas dê uma olhada nos buracos que os pregos deixaram na tábua... ...ela nunca mais será como antes\".
O pai continuou: “Quando você mente... ou quando não aceita os próprios erros e diz coisas estando com raiva, suas palavras deixam marcas como essas. Você pode enfiar uma faca em alguém e depois retirar. Mas você já causou uma ferida... e toda ação provoca uma reação. Não importa quantas vezes você peça desculpas, a cicatriz ainda continuará lá. Você já machucou. Já roubou a paz.”
“Amigos são como joias raras. Eles te aconselham... Sabem dizer não... (porque dizer sim é muito fácil). Podem te fazer chorar hoje quando te encorajam para acertar os passos... Eles te ensinam ser pessoas melhores, compartilham dos teus momentos de alegria... e sempre querem ter seus corações abertos para você.\"
Moral da estória Sabemos que errar é humano... Corrigir a quem se ama é um dever. Saber escutar e aprender é uma obrigação.
Vamos pensar nas nossas atitudes...
Vamos perdoar aqueles que verdadeiramente se arrependem ...
Que a paz de Cristo habite entre nós.


terça-feira, 17 de março de 2009

Delerium



Biografia

Delerium é um projeto musical de Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá, formado em 1987, inicialmente como um projecto paralelo do influente grupo de música industrial, Front Line Assembly.

Álbuns / EPs
Faces, Forms & Illusions (Dossier, 1987), LP / CD
Morpheus (Dossier, 1989), LP / CD
Syrophenikan (Dossier, 1990), LP / CD
Stone Tower (Dossier, 1991), LP / CD
Euphoric (Third Mind, 1991), EP / CD
Spiritual Archives (Dossier, 1991), LP / CD
Spheres (Dossier, 1994), LP / CD
Spheres 2 (Dossier, 1994), LP / CD
Semantic Spaces (Nettwerk, 1994), CD
Karma (Nettwerk, 1997), CD
Karma (c / bonus disc) (Nettwerk, 1997, 1999, 2000), 2CD
Poem (Nettwerk, 2000), CD
Poem (c / bonus disc) (Nettwerk, 2000), 2CD
Chimera (Nettwerk, 2003), CD
Chimera (c / bonus disc) (Nettwerk, 2003), 2CD

Singles
“Flowers Become Screens” (Nettwerk, 1994), CDS
“Incantation” (Nettwerk, 1994), 12”
“Euphoria (Firefly)” (Nettwerk, 1997), CDS
“Duende” (Nettwerk, 1997), CDS
“Silence” (Nettwerk, 1999, 2000), CDS
“Heaven’s Earth” (Nettwerk, 2000), CDS
“Innocente” (Nettwerk, 2001), CDS
“Underwater” (Nettwerk, 2002), CDS
“After All” (Nettwerk, 2003), CDS
“Run For It” (Nettwerk, 2003), CDS
“Truly” (Nettwerk, 2004), CDS
“Silence 2004” (Nettwerk, 2004), CDS

Compilações
Reflections I (Dossier, 1995), CD
Reflections II (Dossier, 1995), CD
Archives I (Nettwerk, 2002), 2CD
Archives II (Nettwerk, 2002), 2CD
Odyssey: The Remix Collection (Nettwerk, 2002), 2CD
The Best Of (Nettwerk, 2004), CD

Exclusivos online
“Above the Clouds” (2003), uma canção disponível apenas por download através do iTunes Music Store e outras lojas de música na internet.

Remixes
Speedy J - “Pull Over” (1997)
Tara MacLean - “Divided” (2000)
Sasha Lazard - “Awakening” (2002)
Lunik - “Waiting” (2003)

Compilações de terceiros que incluem os Delerium
The Crow: Stairway to Heaven, 1998. Incluiu a canção “Silence” em um episódio.
Brokedown Palace Banda sonora (Island, 1999), CD
Tomb Raider Banda sonora (Elektra / Wea, 2001), CD
Best of Mystera (Polys, 2000), 2CD
Editado por marcolivgo em Jan 12 2008, 14h22


Delerium -- Innocente (Falling in Love)



Delerium -- Duende




Delerium - Angelicus



DELERIUM Silence

Freqüência Vibratória

Freqüência Vibratória Freqüência Vibratória api_user_11797_Carla Maria

segunda-feira, 16 de março de 2009

Atraves del caminho


Impossível atravessar a vida ... Sem que um trabalho saia mal feito, sem que uma amizade cause decepção, sem padecer com alguma doença, sem que um amor nos abandone, sem que ninguém da família morra, sem que a gente se engane em um negócio.
Esse é o custo de viver. O importante não é o que acontece, mas, como você reage.
Você cresce... Quando não perde a esperança, nem diminui a vontade, nem perde a fé. Quando aceita a realidade e tem orgulho de vivê-la. Quando aceita seu destino, mas tem garra para mudá-lo. Quando aceita o que deixa para trás, construindo o que tem pela frente e planejando o que está por vir.
Cresce quando supera, se valoriza e sabe dar frutos. Cresce quando abre caminho, assimila experiências... E semeia raízes…. Cresce quando se impõe metas, Sem se importar com comentários, nem julgamentos quando dá exemplos, sem se importar com o desdém, quando você cumpre com seu trabalho..
Cresce quando é forte de caráter, sustentado por sua formação, sensível por temperamento... E humano por nascimento! Cresce quando enfrenta o inverno mesmo que perca as folhas, colhe flores mesmo que tenham espinhos e marca o caminho mesmo que se levante o pó. Cresce quando é capaz de lidar com residuos de ilusões, É capaz de perfumar-se com flores... E se elevar por amor!
Cresce ajudando a seus semelhantes, conhecendo a si mesmo e Dando à vida, mais do que recebe. E assim se cresce…..

Susana Carizza


domingo, 15 de março de 2009

APRENDI LEI ATRAÇÃO

Conversa interior


“Um dia, meu ser emergiu como uma estrela nova que ganhou vida, e então uma nova realidade estava batendo à minha porta. E eu sabia que a força explosiva era o resultado de tudo o que eu havia afirmado internamente. O meu ser interior tinha acatado todas as minhas palavras e fez com que a vida obedecesse ao que eu dizia a mim mesmo. Contudo, descobri, em meio a todo o processo, um amor profundo e isso era tudo o que Deus queria de mim...”.


“Conversando com seus botões” representa a síntese popular de um diálogo com todas as partes não físicas e físicas do seu ser. Esse diálogo é o alimento do espírito, o combustível que faz com que o seu guia interior seja direcionado por um caminho que percorre uma realidade. Existe um número infinito de realidades acontecendo neste exato momento, mas a sua linguagem interior está escolhendo uma delas e a demarcando como sua! Não há outra forma mais inteligente de viver do que concentrar o seu fogo interior e direcionar a sua vida para o caminho que você deseja. A comunicação interior é tão importante quanto a imaginação. Ela promove a ação e é mais forte do que milhares de ações exteriores. O alimento que o seu centro consciente fornece ao seu corpo físico e espiritual pode derrubar a sua vida ou construir verdadeiros tesouros de realizações e felicidade. Você pode ser um escravo da sua linguagem interior ou um Rei Absoluto de Deus! Tudo vai depender do que você tem dito a si mesmo.

Não há nada mais importante no mundo do que o amor por si mesmo e a partir desse amor você será capaz de amar o universo inteiro. Esse amor lhe dará segurança e certezas que lhe ajudarão a ser um afortunado e bem aventurado.

O que você fala para si próprio deve estar dentro das bases da felicidade e alicerçadas nessa conquista. A sua vida vai entrar no rumo dinâmico de amor que o faz triunfar diante dos seus mais secretos sonhos. Não há ninguém mais importante do que você mesmo e é para o centro do seu coração que você deve dirigir toda a sua força. Fortalecido, você encontrará todas as respostas do segredo da vida. Você será capaz de ajudar a si mesmo a ser feliz, e todo o mundo se beneficiará com isso.

A conversa interior é o âmago da sua força. Ela traça as diretrizes por onde a vida e o universo podem correr como um rio para se autorealizar. O ritmo da vida estanca quando o seu mundo interior está desconcentrado. A comunicação que você usa com o seu guia interior é o poder de todo o processo criador. A forma mais mágica de rezar é direcionar o seu ser. Você observará que este diálogo é tão forte que ele moverá suas células e toda a sua bioquímica corporal para a cura. Seu corpo estará fortalecido contra qualquer tipo de doença. Autoimune, você começará a reagir até mesmo diante daqueles corriqueiros padrões que o fazem pensar sempre igual. O cérebro e todas as partes do seu corpo começarão a dar vazão a uma química que liberará endorfinas que o deixarão menos propenso a crises de depressão.

“Nada lhe trará o sucesso a não ser você mesmo.” Napoleon Hill

A comunicação interior não exige espaço, nem silêncio e nem muito tempo da sua vida. Você pode praticá-la em qualquer lugar e a qualquer hora. Já que você está acompanhado de si mesmo 24horas por dia será fácil concentrar o seu diálogo positivamente. É o que você tem dito a si mesmo que está desenhando as coordenadas da sua vida. Estar consigo mesmo é mais importante do que ler um livro ou assistir uma palestra que possa lhe ajudar a entender melhor a vida e seus significados. A verdade é única dentro de si mesmo e ninguém a detém mais do que você. Todos os líderes da humanidade praticaram esta alquimia interior que direciona o seu ser para aquilo que você quer conquistar; todo aquele que realizou um sonho passou por este processo íntimo de concentrar a sua força. Você fecha o seu centro criador e o chama para conversar. Neste momento ocorre uma grande concentração de energia pura; é como se todas as moléculas da vida que compõe o seu corpo físico e não físico parassem para ouvir suas ordens e é isso mesmo que acontece!

"E, uma vez que digamos Sim para o Instante, a Afirmação é Contagiosa.
Ela inflama uma cadeia de Afirmações que não conhecem limite algum.
Dizer Sim para um Instante é dizer Sim para Toda a Existência". Walking Life

O que você diz a si mesmo moldará seus pensamentos, direcionando-os para uma postura realizadora.
Converse! Chame o núcleo do seu ser e afirme: Eu vou, eu sou, eu quero, eu tenho... Conte histórias, descreva o seu roteiro pessoal, afirme verdades, comunique tudo o que tiver que contar a si mesmo. São ordens vibracionais e verbais que farão com que você conquiste até mais do que um dia pode ter pretendido! É incrível observar, em nível não físico, as modificações vibráteis e energéticas que se manifestam na dança do seu próprio universo quando você fala com amor a si mesmo.

“Para ser bem sucedido em suas conquistas você precisa
acreditar em algo com tal paixão que aquilo se torna realidade.”

Anita Roddick


Quando você direciona suas palavras conquistadoras em uma conversa íntima, está dando a maior e melhor prova de amor para com a entidade viva que é você nessa existência. Neste momento, o Deus em você está honrado e orgulhoso da conduta inteligente que não faz com que você esteja desperdiçando a sua maravilhosa existência. Você é o comandante do seu navio interior e a bússola está dentro do seu coração. O seu próprio rumo não fará com que você se perca. Determinado, o seu guia interior partirá em busca de uma viagem sob o seu comando. Direcionando suas palavras interiores, numa conversa íntima e confiante, não há nada que o detenha diante do triunfo!

Converse consigo mesmo, de maneira positiva, firme, entusiasta e, então, o mundo e a vida lhe mostrarão que o universo é seu!


Napoleon Hill - A Ciência do Sucesso

Cuidado com os amores orquídea

LEI DA ATRAÇÃO - SEJA O VENCEDOR DESTE JOGO

Primeira e última


Quando estiver com uma pessoa, lembre-se que essa pode ser a última vez. Não desperdice a oportunidade com trivialidades, não crie problemas e conflitos sem importância. Quando a morte está próxima, nada mais importa.

Se alguém fez ou disse alguma coisa e você ficou irritado, pare e pense como seria se essa pessoa morresse ou se você morresse. Que significado teria, então, aquilo que foi dito? Talvez a outra pessoa nem tenha pensado ou dito aquilo com aquela intenção - pode ser apenas uma interpretação sua. Em geral é isso que acontece.

Tudo está em constante mudança. Assim como você não pode se banhar duas vezes no mesmo rio, também não pode se encontrar com a mesma pessoa duas vezes. O mesmo acontece com seus pais, irmãos e amigos. Nada nem ninguém permanece o mesmo. Você mudou, já não é o mesmo. Mas eles também não.

Se você se lembrar dessas duas coisas, o amor florescerá.

Encontre a outra pessoa sempre como se fosse a primeira vez.

Encontre a outra pessoa sempre como se essa fosse a última vez.

É de fato assim que as coisas são.

Então esse pequeno momento de reunião pode trazer uma grande plenitude.


Osho, em "Uma Farmácia para a Alma"

sexta-feira, 13 de março de 2009

Nara Leão




Biografia

Nascida no Espírito Santo, mudou-se para o Rio de Janeiro aos dois anos de idade. Oriunda de uma família de classe média, começou a ter aulas de violão na adolescência com Solon Ayala e Patrício Teixeira. Em seu apartamento em Copacabana aconteciam reuniões de música onde, segundo alguns críticos, nasceu a bossa nova. No final dos anos 50 trabalhava como repórter em um jornal e participava de shows de bossa nova, cantando com sua voz curta e acompanhando-se ao violão. Em 1963 estreou profissionalmente no musical "Pobre Menina Rica", de Vinicius de Moraes e Carlos Lyra. No mesmo ano gravou duas faixas no disco "Depois do Carnaval", de Carlinhos Lyra: "É Tão Triste Dizer Adeus" (C. Lyra/ N. Lins e Barros) e "Promessas de Você" (C. Lyra/ N.L. Barros). Já no ano seguinte, quando gravou seu primeiro LP, "Nara", provocou polêmica ao adotar um repertório que, além de bossa nova, incluía diversos sambas de compositores chamados de "sambas de morro", como "Diz que Fui por Aí", de Zé Kéti e Hortênsio Rocha, "Luz Negra", de Nelson Cavaquinho e Amâncio Cardoso, e "O Sol Nascerá", de Cartola e Elton Medeiros. Ao final de 1964, participou do espetáculo "Opinião", um dos mais importantes do período e um dos primeiros a contestar o regime militar, ao lado de Zé Kéti e João do Vale. Na mesma época gravou "Opinião de Nara", incluindo "Opinião" e "Acender as Velas", de Zé Kéti, "Sina de Caboclo" (João do Vale) e "Chegança" (Edu Lobo/ Vianinha). No ano seguinte chamou a estreante Maria Bethânia, da Bahia, para substituí-la no espetáculo. Assim, nesse show, Nara Leão foi diretamente responsável pelo surgimento da estrela Bethânia e pelo resgate de autores como João do Vale e Zé Kéti. Foi a intérprete de "A Banda", de Chico Buarque, que dividiu o primeiro prêmio do Festival da TV Record de 1966 com "Disparada" defendida por Jair Rodrigues. Dois anos depois integrou o movimento tropicalista, participando do emblemático disco "Tropicália ou Panis et Circensis". Nos anos seguintes passou uma temporada na França, onde reatou laços com a bossa nova, gravando dois LPs dedicados a esse repertório. Participou de vários shows sozinha e ao lado de outros artistas, gravando até mesmo no Japão. Cantora com visão de produtora, Nara lançou vários compositores e inúmeras músicas ganharam fama em sua voz como "Pedro Pedreiro", "Olê Olá" (ambas de Chico Buarque), "Maria Moita" (Carlos Lyra/ Vinicius), "Corisco" (Sergio Ricardo/ Glauber Rocha), "Esse Mundo É Meu" (Sergio Ricardo), "Maria Joana", "Pede Passagem" (Sidney Miller), "Recado" (Casquinha/ Paulinho da Viola), "Coisas do Mundo, Minha Nega" (Paulinho da Viola), "João e Maria" (Sivuca/ Chico Buarque), "Com Açúcar, com Afeto" (Chico Buarque), "Apanhei-te Cavaquinho" (Ernesto Nazareth/ Nara Leão), além de praticamente todos os clássicos da bossa nova.


Morena do Mar



Cuitelinho



Insensatez

João Bosco




Biografia

Começou a tocar violão aos 12 anos, incentivado pela família cheia de músicos, em Minas Gerais. Anos mais tarde vai para a faculdade de engenharia Metalúrgica em Ouro Preto, e, sem abandonar os estudos, dedica-se à música, atraído principalmente pelo jazz, bossa nova e tropicalismo.

Um de seus primeiros parceiros foi Vinicius de Moraes, que o encorajou a ir para o Rio de Janeiro. Algumas músicas da dupla são "Rosa dos Ventos", "Samba do Pouso" e "O Mergulhador". Em 1971 conhece o letrista Aldir Blanc, com quem faria uma série de geniais parcerias ("Bala com Bala", "De Frente pro Crime", "Kid Cavaquinho", "Caça à Raposa", "Falso Brilhante", "O Rancho da Goiabada").

No ano seguinte termina a faculdade e se radica no Rio de Janeiro, onde grava sua primeira música, "Agnus Sei" (parceria com Aldir) no lado B do Disco de Bolso lançado por "O Pasquim" que lançava "Águas de Março", de Tom Jobim. No Rio compõe muito com Aldir Blanc, e várias dessas parcerias se tornam clássicos atemporais na voz de Elis Regina, como "Mestre-sala dos Mares", "Dois pra Lá, Dois pra Cá" e "O Bêbado e a Equilibrista", que se torna um hino informal da anistia política.

Na década de 70, lança discos solos que o destacam como violonista virtuose, elogiado por ases como o inglês John McLaughin, e compositor. Nos anos 80 e 90, depois de encerrar sua parceria com Aldir Blanc, passa a atuar mais freqüentemente como cantor, e encontra outros parceiros como Capinam ("Papel Machê", outro grande sucesso), Waly Salomão e Antônio Cícero ("Holofotes"), além do filho poeta, Francisco Bosco, com quem compôs as faixas do disco "As Mil e Uma Aldeias". Em 1998 compôs a trilha para o balé "Benguelê", do Grupo Corpo, apresentado no Rio, São Paulo, Belo Horizonte e em festivais internacionais.

Depois de um intervalo de quase cinco anos, João Bosco lança, em 2003, o inédito "Malabaristas do sinal vermelho”. No álbum, o artista provou ser capaz de atualizar a temática social, sempre presente na sua obra, sem esquecer seu jeito de fazer música. O trabalho, outra parceria com o filho Francisco Bosco, foi bem acolhido pela crítica e até recebeu uma indicação ao Grammy de Melhor Álbum de Música Popular Brasileira.

Para comemorar seus 30 anos de carreira, o artista decidiu presentear os fãs com o lançamento de seu primeiro DVD ao vivo. “Obrigada Gente!”, que chegou às lojas em 2006, traz no repertório sambas célebres da década de 60 e hits mais recentes do cantor. O show foi gravado em São Paulo e conta com participações de Guinga, Hamilton Holanda, Yamandú Costa e Djavan.


corsário



Incompatibilidade de Gênios



Desenho de Giz

Milton Nascimento




Biografia

Nascido no Rio de Janeiro, filho de uma empregada doméstica, foi adotado por um casal cuja esposa (Lília Silva Campos) era dona de casa. A professora de música, ao contrário do que dizem, não era mãe do Milton, mas de Wagner Tiso, seu vizinho e futuro parceiro musical. Seu pai adotivo, Josino Campos, era dono de uma estação de rádio. Mudou-se para Três Pontas, em Minas Gerais, antes dos dois anos de idade e aos treze anos já cantava em festas e bailes da cidade. Gravou a primeira canção, Barulho de trem, em 1962. Mudou-se então para Belo Horizonte para cursar Economia aonde, tocando em bares e clubes noturnos, começou a compor com mais frequência; datam dessa época as composições Novena e Gira Girou (1964), ambas com Márcio Borges.
Destacou-se como cantor, gravando um LP no Rio de Janeiro em 1966. No mesmo ano, sua composição Canção do Sal foi gravada por uma cantora então desconhecida, Elis Regina. A convite do músico Eumir Deodato, gravou um LP nos Estados Unidos (Courage), onde se destacam Catavento e uma versão de Travessia chamada Bridges. Em 1970 realiza temporadas no Rio de Janeiro e em São Paulo com o conjunto Som Imaginário, destacando-se desse período Para Lennon e McCartney (1970, com Fernando Brant, Márcio Borges e Lo Borges) e Clube da Esquina. No disco Sentinela (1980), foi um grande sucesso a composição Canção da América. No ano seguinte, estourou a canção Caçador de Mim. Também participou e compôs a trilha sonora de filmes como Os Deuses e Os Mortos (1969, direção de Ruy Guerra), e Fitzcarraldo (1981, direção de Werner Herzog).
Entre outros sucessos, destacam-se Maria, Maria (1978, com Fernando Brant), e sua interpretação de Coração de Estudante (Wagner Tiso), que se tornou o hino das Diretas Já (movimento sócio-político de reivindicação por eleições diretas, 1984) e dos funerais de Tancredo Neves em 1985. Posteriormente, a Canção da América, que versa sobre a Amizade, também foi identificada com os funerais de Ayrton Senna em 1994.
Em 1983 integrou o grupo seleto de intérpretes da MPB que viajaram o país apresentando O Grande Circo Místico, o maior e mais completo espetáculo teatral já apresentado, para uma platéria de mais de 200 mil pessoas. Milton interpretou a canção Beatriz, composta pela dupla Chico Buarque e Edu Lobo.
Valendo-se ainda do filão engajado da pós-ditadura, participou do coro de 155 vozes que cantou uma versão brasileira de We are the world, o hit americano que juntou vozes e levantou fundos para a África ou USA for Africa. O projeto Nordeste já (1985) abraçou a causa da seca nordestina, e numa criação coletiva, surgiu o compacto com as canções Chega de mágoa e Seca d´água. Elogiado pela competência das interpretações individuais, foi no entanto criticado pela incapacidade de harmonizar as vozes e o enquadramento de cada uma delas no coro.

O estilo musical de Milton pode ser classificado como Música Popular Brasileira, um estilo derivado do Jazz, que se consolidou na segunda metade da década de 60. Até 2004, Milton Nascimento já havia gravado mais de trinta álbuns. Cantou com dúzias de outras artistas, incluindo Maria Bethânia, Elis Regina, Jorge Ben Jor, Caetano Veloso, Simone, Chico Buarque, Gilberto Gil, Paul Simon, Peter Gabriel (com quem co-escreveu a música Breath after Breath do Duran Duran), Herbie Hancock, Quincy Jones e Jon Anderson. Elegeu Elis Regina como sua grande musa inspiradora para quem compôs inúmeras canções.

Em 1998, ganhou o Grammy de Best World Music Album in 1997. Foi nomeado novamente para o Grammy em 1991 e 1995. Milton já se apresentou na América do Sul, América do Norte, Europa, Ásia e África. Seu carisma pessoal e gênio musical fazem-no ter o talento apreciado por muitos no mundo inteiro. Sua voz é considerada uma das maiores de todos os tempos na MPB.


Milton Nascimento nasceu no Rio de Janeiro em 26 de Outubro de 1942; filho de Maria do Carmo Nascimento e adotado nos primeiros anos de vida pelo bancário Josino Brito e Lília Silva que foi uma das influências em sua carreira musical por ser professora de música. Residiu no Rio de Janeiro por quase dois anos e mudou-se com seus parentes adotivos para a cidade de Três Pontas ; Provincia de Minas Gerais . Aos dois anos de idade tocou no teclado de um piano pela primeira vez e aos quatro anos ganhou uma sanfoninha de dois baixos sendo este seu primeiro instrumento de música. Após a aquisição de seu violão; se deliciava entre notas musicais na cozinha de sua residência ao lado do fogão à lenha sendo um dos lugares prediletos de sua inspiração musical.

E foi na casa de Wagner Tiso que aprendeu noções de piano com a mãe de Wagner.

Desde então Milton Nascimento se agarrou à música e juntamente com seu amigo de infância Wagner Tiso começaram a tocar em bailes locais atuando como crooner aos 13 anos de idade. Aos 15 anos juntamente com o pianista Wagner Tiso lançaram o conjunto Luar da Prata, viajando pelo interior mineiro em uma combi velha e constantemente agarrados no barro das estradas que era uma constante nas estradinhas estreitas do interior de Minas Gerais.

Trabalhou como Disc-Jóquei na Rádio Clube de Três Pontas simplismente pelo prazer de tocar na rádio musicas de João Gilberto entre outros…e chegou a diretor da rádio e comenta “Nós ouviamos de tudo sem preconceito, inclusive música Latina e Espanhola , como um elo da atmosfera cultural de Minas Gerais”, e conseqëntemente como crooner do Conjunto W’s Boys do qual mudou o nome Milton para Wilton pelo fato de todos os componentes da banda começarem o nome com a letra “W”; Wagner (Tiso), Waltinho, Wilson e Wanderley.

Foi então que a curiosidade de um empresário de Três Pontas em fundar uma gravadora os levou à Belo Horizonte / MG para a gravação de um compacto com a inclusão de uma de suas músicas “Barulho de Trem” pela Dex Discos do Brasil.

Neste meio tempo Milton Nascimento concluiu o curso de contabilidade e em 1963 mudou-se para a capital mineira de Belo Horizonte para prestar o vestibular em Economia e começou a trabalhar em um escritório de contabilidade como datilógrafo e contador e durante a noite tocava contrabaixo nas boates de BH . Foi nesta época que conheceu parceiros musicais como Fernando Brant, Lô Borges e Marcio Borges do qual era integrante do Grupo Evolussamba . Mesmo com o escasso limite de tempo Milton Nascimento encontrou inspiração e passou a compôr com maior freqüência . Foi quando compôs Gira Girou, Novena, Paz do amor que vem. Coragem e Crença em parceria com Marcio Borges em meados de 1964 explorando as raízes barroco mineira que ao longo dos anos foi adquirindo em contato direto com a terra e sua cultura entre igrejas de bronze, alamedas de pedra cortada onde a rotina do tempo movimenta com o sino das igrejas, começa a despontar um Milton Nascimento trasparente; um retrato limpo dos aprendizados desta vida. E foi exatamente este apego às suas raízes que o fez diferente dos demais cantores da época e Milton Nascimento enfatiza “ Quando começei a compor, falei para mim mesmo e para meus parceiros que, se não cantasse a verdade, a minha verdade, eu não cantaria. E isso me deu um crédito enorme. As pessoas que ouvem as minhas músicas sabem que estou falando o que sinto”

Em seguida começou a apresentar-se no Bar Berimbau e na tradicional TV ITACOLOMI o trio de jazz formado com Wagner Tiso em uma era onde o jazz/bossa nova fazia parte da identidade de uma juventude fomenta por cultura.

Foi integrante do Conjunto Evolussamba e do Quarteto Sambacana na liderança de Pacífico Mascarenhas , do qual , foi juntamente para o Rio de Janeiro em 1965 para gravar um LP pela Odeon com o Quarteto Sambacana.

Em 1965 Milton Nascimento colocou o pé na estrada para participar de vários festivais de MPB e conseguiu o quarto lugar interpretando Cidade Vazia de composição by Baden Power e arranjo by Lula Freire no FNMP realizado pela TV Excelsior no Estado de São Paulo que era o centro de concentração de cantores daquela época como Elis Regina, Gilberto Gil, Edu Lobo, Caetano Veloso entre outros…

No mesmo ano o grupo Tempo Trio gravou “E a gente sonhando” de Milton Nascimento e foi quando Elis Regina convida Milton Nascimento para uma audição e após cantar todo o seu repertório inseguro de seus atributos, Elis Regina se encanta pela música de Milton e o resultado foi a gravação da música Canção do Sal por Elis Regina em seu segundo album pela Philips em 1966.

Em uma época financeiramente difícil na carreira de Milton Nascimento e ao mesmo tempo em que as portas se abriam ele tornou-se amigo de Agostinho Santos que era já era consagrado internacionalmente com a música Manhã de Carnaval e com a intensão de gravar composicões de Milton no seu próximo album e sem a autorização de Milton Nascimento, Agostinho gravou um tape com as três músicas de Milton e inscreveu no II FIC – Festival Internacional da Canção realizado pela Globo no Rio de Janeiro com as músicas Travessia com letra de Fernando Brant do qual obteve o segundo lugar, a música Morro Velho alcançando o sétimo lugar e ficando entre as 15 finalistas com a música Maria, minha fé . E ainda recebeu o Prêmio de melhor intérprete.

Em meados de 1967 fez um show no Teatro Casa Grande com Danilo Caymmi, Novelli e Ronaldo Bastos e gravou um LP com arranjo de Luís Eça pela Codil .

No final de 1967 ainda participou do show Travessia no Rui Barbosa dirigido por Paulo Sérgio Vale e também participou do show Viola Enluarada no Teatro Toneleros no Rio de Janeiro.

E no ano de 1968, Milton Nascimento começa sua carreira no mercado internacional nos U.S.A para o lançamento do album “Courage” com arranjos by Eumir Deodato pela A&M Records do qual incluiu as músicas “Catavento e Travessia” com apresentações pelos U.S e México.

De volta à suas raízes no Brasil em 1969; lançou o LP Milton Nascimento pela Odeon, incluindo no repertório “Beco do Mota”, “Sentinela”e “Quatro Luas” , todas com Fernando Brant. Ainda nesse ano, fez a trilha sonora e participou como ator do filme Os Deuses e os Mortos, de Rui Guerra.

Compôs a Trilha Sonora do filme Tostão, a Fera do Ouro, incluindo a música “Aqui é o País do Futebol”com Fernando Brant e no mesmo ano o show Milton Nascimento e o Som Imaginário”; grupo de rock progressivo composto por Wagner Tiso, Robertinho Silva, Luís Alves e Zé Rodrix. no Teatro Opinião , Rio de Janeiro.

Em seguida gravou “Milton”(1970) incluindo as músicas Clube da Esquina (com Lô Borges e Márcio Borges); Para Lennon e McCartney (Fernando Brant ,Lô Borges eMárcio Borges ); Canto latino (com Rui Guerra) .

Participou do Festival Onda Nueva na Venezuela com Os Povos com Marcio Borges e em 1972 lançou Clube de Esquina um album duplo com Lô Borges, Beto Guedes, Toninho Horta, Wagner Tiso, Nivaldo Ornellas, Nelson Ângelo, Tavito entre outros, incluindo Cravo e canela com Ronaldo Bastos; San Vicente com Fernando Brant; Os povos e Lília com Fernando Brant; dedicada a sua mãe adotiva. Clube de Esquina é conseqüencia dos anos em que Milton e seus amigos se encontravam nos barzinhos de Belo Horizonte que até o dia de hoje tem ares de cidade do interior com a imposição da capital de Minas Gerais.

Em 1973 lançou “Milagre dos Peixes”ao vivo devido a repressão militar e realizou um show intitulado com o mesmo nome apresentado no Teatro Municipal de São Paulo e no Rio de Janeiro acompanhado pelo Som Imaginário e orquestra em 1974.

Na década de 70 decorrente à ditadura que avassalava por todo o país e vários exilios;

Milton também teve algumas de suas músicas sensuradas pelo Regime Militar tais como:

Escravo de Jó, Hoje é dia de el rei e Cadê.

No ano de 1975 lança nos U.S “Native Dancer”com o saxofonista Wayne Shorter (ex- Miles Davis) , Airto Moreira e Herbie Hancock entre outros.

E no Brasil “Minas”em 1975 e “Gerais”pela EMI em 1976;

E no ano de 1978 lança no Brasil “Clube de Esquina II” que é o seu último trabalho com a gravadora EMI e em 1979 lançou seu terceiro disco nos E.U.A.; a antologia “Journey to Dawn” pela A&M Records.

Em 1980 lançou “Sentinela” pela Polygram, , que trazia o sucesso “Canção da América” e a participação da Oficina Instrumental Uakti e do guitarrista Ricardo Silveira.

No ano de 1981, lançou o LP “Caçador de Mim”, com os sucessos “Nos bailes da vida” e “Caçador de mim”

E no mesmo ano , participou do filme Fitzcarraldo, de Werner Herzog.

Em 1982 gravou “Missa dos Quilombos” idealizado dos textos de Dom Pedro Casaldáliga; arcebispo de São Félix do Araguaia MT, e do poeta Pedro Tierra e “Anima”, lançando as músicas “Certas Canções” e “Essa Voz”.

Em 1983 o LP “Milton Nascimento” ao vivo, com a participação especial de Gal Costa. gravado no Anhembi de São Paulo.

No mesmo ano, participou no filme Buriti, de Carlos Alberto Prates Correia.


Em 1985 lançou o LP “Encontros e despedidas”, com a música “Noites do sertão”, composta para o filme homônimo de Carlos Alberto Prates Correia.

E no ano de 1986, lançou “A barca dos Amante”, gravado ao vivo com a participação de Wayne Shorter e seu último trabaIho pela Polygram.

Em 1986 recebeu o Prêmio Shell.

Em 1987, lançou o disco “Yauaretê” pela CBS

Em 1988 lançou o LP “Miltons”, com a música “Bola de Meia, Bola de Gude” (c/Fernando Brant). Em 1990 lançou o CD “Txai”, doando parte dos direitos autorais de vendagem do disco a entidades indígenas e alcançou primeiro lugar no “Billboard World Music List” com o respectivo album.

Em 1991 lança “O Planeta Blue na Estrada do Sol”.

E no ano de 1993, gravou o CD “Angelus” pela Warner, com a participação especial dos cantores Jon Anderson e James Taylor produzido por Russ Titelman.
Foi premiado pelas Nações Unidas com o “World Rain Forest”em maio de 1996 pelo seu envolvimento em atividades em prol da ecologia e respeito pela natureza, do qual considera um dos prêmios mais importantes e comenta “É um dos mais importantes por não ser um prêmio político”.

Recebeu o Título de “Cidadão Honorário de Minas Gerais” e também um dos títulos mais importantes do país “A Ordem do Rio Branco”.

E também o título “Chevalier des Arts et des Lettres” incluindo um lanche privado no “Elysée Palace”com o Presidente Francês François Mitterand.

No ano de 1996 , apresentou o show Amigo em Nova York , acompanhado por um coro de 30 crianças e pela Orquestra Filarmônica de Nova York ; em seguida, com o mesmo show, participou do Festival de Jazz de Montreux, na Suíça, e do Festival de Tübingen, na Alemanha.

No final do ano 1996, apresentou o mesmo show no The Royal Albert Hall em Londres, acompanhado pela Royal Philharmonic Concert Orchestra com sucesso absoluto.

Milton Nascimento começa a ter complicações de saúde decorrente de anorexia nervosa e no ano de 1997 lança o LP “Nascimento” pela WEA com composições como “Rouxinou” e “Levantados do Chão”em parceria com Chico Buarque de Holanda

Apareceu por duas vezes consecutivas na Revista de jazz Down Beat recebendo o título de “Melhor Artista do Ano” na categoria de jazz.no ano de 1997.

Ainda no ano de 1997, a Polygram lançou caixa com dez CDs, remasterizados em Londres nos estúdios Abbey Road.

No final do ano de 1997, colocou o pé na estrada e levou o show “Tambores de Minas” aos quatro cantos do país um encontro dos mestres Milton Nascimento e do Diretor de Teatro Gabriel Villela e as músicas “Louva a Deus”e “Teatro do Mundo”viraram clássicos assim como “Canção da América”e “Caçador de Mim”proclamado pela crítica brasileira como o melhor espetáculo e show do ano e um dos melhores da sua carreira. O show composto de 9 dançarinos, acrobatas e a banda de cantores e compositores gravaram o show “Tambores de Minas” ao vivo no Rio de Janeiro, realizando 80 shows pelo país e atingindo um público de mais de 200.000 pessoas.

E gravou um documentário sobre sua vida e obra, dirigido por Lula Buarque de Hollanda e Carolina Jabor, com a participação de Alcione, Chico Buarque de Holanda, Gilberto Gil, Wagner Tiso, entre outros.

Em 1997 Milton Nascimento teve participação especial em Rhythm Of The Saints, que com sua voz melancolica encantou Paul Simon e o resto do planeta.

Recebeu o Grammy em 1998 na categoria de musica internacional com o album “Nascimento”.

Ocorreu também o lançamento do livro Os sonhos não envelhecem - Histórias do Clube da Esquina, de Márcio Borges.

Milton Nascimento participou de filmes como ator e compositor tais como “Os Deuses e os Mortos” de Ruy Guerra; “Noites do Sertão” de Carlos Alberto Prates; “A Terceira Margem do Rio” de Nelson Pereira dos Santos; “Veja Esta Canção” de Carlos Diegues; e “O Viajante” de Paulo Cezar Saraceni. Compôs para “Poema Sujo” de Ferreira Gullar e para o balé musical do Grupo O Corpo com “Maria, Maria” e”Último Trem” para o Grupo Stagium “Missa dos Quilombos” do qual receberam atentado de bomba pelo sentimento anti-racista. E para a Parsons Dance Company “Nascimento”.

Em 1999 lançou o album “Crooner”, um tributo ao passado interpretando “Only you”; “Frenesi”, música de Samuel Rosa, Lulu Santos, Nando Reis, Dolores Duran e do grupo Tamba Trio com uma aceitação admirável com mais de 300.000 cópias vendidas a WEA lança uma edição especial de Platina e no ano 2000 recebeu o Latin Grammy de Melhor Album Pop do Ano.

Após o sucesso de “Crooner”, Milton Nascimento embarca juntamente com Gilberto Gil em “Gil e Milton” incluindo sons de Ari Barrroso, Dorival Cayme, Luis Gonzaga, George Harrison e Fito Paez resultando uma tournê pela Europa, America Latina e obviamente Brasil.

Em 2002 Milton Nascimento lançou seu próprio sêlo”Nascimento” distribuido pela WEA. Em dezembro do mesmo ano lançou o album “Pietá” consagrado pelo público como um dos melhores trabalhos dos últimos anos e recebendo o prêmio de “Melhor Album de Música Brasileira de 2003”. “Pietá é um tributo à sua mãe adotiva Lília Silva com as canções “Feminina Voz Do Cantor,” “Casa Alberta,” “Beleza E Canao,” “Tristesse,” “Quem Sabe Isso Quer Dizer Amor,” “Imagem E Semelhanca,” “Lagrima E O Rio,” “Voa Bicho,” “Outro Lugar,” “As Vezes Deus Exagera,” “Cantaloupe Island,” “Pieta,” “Beirra-Mar Novo,” “Os Meninos De Aracuai,” “Boa Noite” and “Vozes Do Vento.”

Entre seus grandes sucessos ; “Nos Bailes da Vida”; “San Vicente”, “Bola de Meia Bola de Gude” (escrita com Fernando Brant); “Paula e Bebeto” (escrita com Caetano Veloso),
“Canção da América” (escrita com Fernando Brant), “Coração de Estudante” (escrita com Wagner Tiso), “Fé Cega, Faca Amolada” ( Escrita com Ronaldo Bastos), “Maria Maria” (escrita com Fernando Brant), “O Cio da Terra” (escrita com Chico Buarque), “Cais” (escrita com R. Bastos), “Encontros e Despedidas” (escrita com F. Brant), “Calix Bento” (Tavinho Moura), “Nada Será como Antes” (escrita com R. Bastos), “Fazenda” (escrita com Nelson Ângelo) and “Cravo e Canela” (escrita com R. Bastos). “Sentinela” (escrita com F. Brant), “Um Girassol da Cor do Seu Cabelo” (L. Borges/ M. Borges), “Milagre dos Peixes” (escrita com F. Brant), “Ponta de Areia” (escrita com F. Brant), “Beijo Partido” (escrita com Toninho Horta), “Guardanapos de Papel” “Tudo Que Você Podia Ser” (Lô Borges/ Márcio Borges),

Teve participações especiais com músicos como Peter Gabriel, James Taylor, Paul Simon, Jon Anderson (Yes), Sting , Sarah Vaughn, Warren Cuccurulo (Duran Duran) entre vários outros.

Milton Nascimento é abençoado com uma voz estraordinariamente harmoniosa e serena e ao mesmo tempo soa como um grito de liberdade e dor ardente que ultrapassa todas as barreiras e limites impostos pelo capitalismo; sua música retrata a história de Minas Gerais; é como se você estivesse voltando para casa e revivendo momentos inocentes e captando cada detalhe do que restou de um Brasil Imperialista. Ele consegüe unir o passado e o presente através da melancolia de sua voz.

Conhecido como Bituca o trabalho de Milton vai além da música, promovendo atualmente um centro de estudos livres de música em Barbacena, Minas Gerais, tendo como professores Gilvan de Oliveira e Lincoln Cheib, entre outros. Importante ressaltar que o Som Imaginário (Robertinho Silva, Rodrix, Wagner Tiso, Frederyko, Luiz e Tavito) contribui para afirmação de uma tendência rítimca e sonora no cenário musical mineiro, desdobrado nos anos 80 no som de Marco Antônio Araújo. O falsete de Milton é singular e lhe proporcionou projeção no início da carreira sendo admirado na atualidade. Recentemente em Ouro Preto, Miltou realizou um show ímpar com Wayne Shorter e Ron Carter, tendo abertura da OSMG e a presença de Wagner Tiso (entre outros). Neste evento foi possível admirar o que hoje se denomina fusion, já pesquisado há anos por Milton e pelos músicos mineiros. Liberdade poética, cultura local e música universal: elementos conformadores da essência musical de quem tem no nome … infinitos sons.
Editado por erica_maysa em Jan 19 2009, 19h34

Fontes (ver histórico)


Coração de Estudante (1984)



Travessia (ao vivo)

quinta-feira, 12 de março de 2009

GESTÃO DE RECURSOS


RH?
RH a PQP!



Eu sou gente,
e tenho nome, porra!


Você é que é
um RanHoso!


Usa óculos,
Dolce & Gabbana,
bem graduados,
e, no entanto,
não me vê!


RH?
RH a PQP!



Eu sou gente,
e tenho nome, porra!


Você é que é
um RanHoso!


Usa óculos,
Dolce & Gabbana,
bem graduados,
e, no entanto,
não me vê!


Aníbal Raposo

segunda-feira, 9 de março de 2009

quinta-feira, 5 de março de 2009

SÍNDROME PÓS-PÓLIO POLIOMIELITE

O QUE SÃO AS SEQÜELAS PÓS-PÓLIO?
As seqüelas pós-pólio (SPP, Síndrome pós-pólio, efeitos tardios da Poliomielite) são os sintomas inesperados e freqüentemente restritivos, como fadiga incontrolável, fraqueza muscular, dores musculares e de juntas, desordens do sono, maior sensibilidade à anestesia, ao frio e à dor, bem como dificuldade de deglutição e respiração, que ocorrem cerca de 35 anos após o ataque do póliovírus em 75% dos paralíticos e em 40% de sobreviventes da pólio "não paralíticos". Há aproximadamente 2 milhões de sobreviventes da pólio na América do Norte e 20 milhões de sobreviventes da pólio no mundo todo. A existência da SPP tem sido documentada por artigos em muitas publicações médicas, incluindo The Journal of the American Medical Association, o American Journal of Physical Medicine and Rehabilitation e The New England Journal of Medicine.



O QUE CAUSA A SPP?
A SPP é causada por "abuso de excesso de uso" durante décadas. O póliovírus danifica 95% dos neurônios motores da base do cérebro e da medula espinhal, matando pelo menos 50% deles. Na prática, cada músculo no corpo é afetado pela pólio, pois são os neurônios de ativação do cérebro que mantêm o cérebro acordado e a concentração da atenção. Embora danificado, os neurônios remanescentes compensam o dano enviando "ramos" como linhas de telefone extras para ativar músculos que ficaram órfãos quando seus neurônios foram mortos. Esses ramos desenvolvidos, de neurônios danificados pelo vírus da pólio, agora estão falhando e morrendo pelo excesso de uso, causando fraqueza muscular e fadiga. O excesso de uso de músculos enfraquecidos causa dor muscular e das juntas, bem como dificuldade de respiração e de deglutição.



COMO A SPP É DIAGNOSTICADA?
Não há nenhum teste de diagnóstico para o SPP, nem mesmo o eletromiograma (EMG). A SPP é diagnosticada pela exclusão de todas as outras causas possíveis para os novos sintomas, inclusive a respiração anormal e o tremor muscular que, com freqüência, incomodam o sono dos sobreviventes da pólio, a tireóide lenta e a anemia. Outras patologias neurológicas ou musculares quase nunca são a causa dos sintomas da SPP.



A SPP OFERECE RISCO DE VIDA?
Não. Mas em razão da ativação dos neurônios no cérebro danificado os sobreviventes da pólio são extremamente sensíveis e necessitam de doses menores de anestésicos de gás e intravenosos e de medicamento sedativo. Os sobreviventes da pólio podem ter dificuldade para despertar da anestesia e podem ter problemas de respiração e deglutição, mesmo quando recebem uma anestesia dentária local.



A SPP É UMA DOENÇA PROGRESSIVA?
A SPP não é progressiva nem é uma doença. A SPP é causada pelo cansaço do corpo em fazer muito esforço tendo tão poucos neurônios ramificados danificados pelo vírus da pólio. Entretanto, os sobreviventes da pólio com fraqueza muscular não tratada perdem cerca de 7% de seus neurônios motores com excesso de funcionamento a cada ano.



HÁ TRATAMENTO PARA A SPP?
Sim. Os sobreviventes da pólio necessitam "conservar para preservar", conservar energia e parar com o excesso de uso e com o abuso de seus corpos para preservar sua capacidade. Os sobreviventes da pólio devem andar menos, usar os dispositivos de assistência necessários: aparelhos, bengalas, muletas, cadeiras de rodas. É preciso planejar períodos de descanso ao longo do dia e interromper as atividades antes do início dos sintomas. Da mesma forma, como muitos sobreviventes da pólio são hipoglicêmicos, a fraqueza muscular e a fadiga diminuem quando ingerem proteínas no café da manhã e quando fazem pequenas refeições de baixo teor de gordura e alto teor de proteínas durante o dia.



O EXERCÍCIO NÃO É A ÚNICA FORMA PARA FORTALECER OS MÚSCULOS FRACOS?
Não. Os exercícios de fortalecimento muscular aumentam o excesso de uso. O levantamento de peso e "sensação de queima" significam que os neurônios danificados pela pólio estão se extinguindo. Os sobreviventes da pólio normalmente não podem fazer exercícios com grande esforço para condicionamento cardíaco. O alongamento pode ser útil. Mas, seja qual for a terapia, ela não deve desencadear ou aumentar os sintomas da SPP.



O TRATAMENTO DA SPP É EFETIVO?
Sim. O pior caso é a estabilização dos sintomas da SPP quando os sobreviventes da pólio interrompem o abuso de excesso de uso. Muitos sobreviventes da pólio têm diminuição significativa da fadiga, da fraqueza e da dor quando começam a cuidar de si mesmos e todas as desordens de sono são tratadas. Entretanto, em virtude das experiências anteriores emocionalmente dolorosas relativas à invalidez, muitos sobreviventes da pólio têm grande dificuldade de cuidarem de si mesmos, de reduzir e, especialmente, de "parecer inválido" por pedir ajuda e pelo uso de dispositivos de ajuda às necessidades.



O QUE OS MÉDICOS, A FAMÍLIA E OS AMIGOS PODEM FAZER PARA AJUDAR?
Os sobreviventes da pólio têm passado suas vidas tentando agir e parecer "normais". Pelo uso de aparelhos foram deixados de lado na infância e a redução das tarefas diárias ostensivamente abundantes é assustadora e difícil. Assim, os amigos e a família precisam apoiar as mudanças de estilo de vida, aceitar as limitações físicas dos sobreviventes e de quaisquer novos dispositivos de ajuda às necessidades. Ainda mais importante, os amigos e a família precisam estar dispostos a assumir as tarefas físicas que os sobreviventes da pólio podem fazer mas não devem. Os médicos, amigos e a família precisam conhecer a causa e o tratamento da SPP e escutar quando os sobreviventes da pólio têm necessidade de conversar sobre como se sentem sobre a SPP e sobre as mudanças de estilo de vida. Mas os amigos e a família não devem assumir o controle da vida dos sobreviventes da pólio. Lembretes gentis ou pressões bem intencionadas não forçarão os sobreviventes da pólio a comer no café da manhã, a usar uma bengala ou descansar entre as atividades. Os sobreviventes da pólio precisam ser responsáveis pelo cuidado de seus corpos e pedir ajuda quando necessitam.



SÍNDROME PÓS-PÓLIO POLIOMIELITE


A Poliomielite foi um dos maiores flagelos da população de todo o mundo neste século, não apenas pelas diversas vidas abreviadas por sua causa, mas porque criou uma população de crianças e adultos jovens com seqüelas e incapacidades variadas. Sua distribuição foi global, tendo apresentado epidemias de grande monta em todos os continentes independentemente do grau de desenvolvimento social e econômico.

O vírus da poliomielite é de distribuição universal, não existe animal que desenvolva o quadro de infecção ou que sirva de reservatório, assim, tudo indica que o homem é seu único hospedeiro. A infecção ocorre por via oral, quando da ingestão de água ou alimentos contaminados. A transmissão é mais comum nas regiões de pior controle sanitário, estando claramente associada, nos dias de hoje, às condições sanitárias locais e ao nível sócio-econômico. A vacinação em massa se mostrou como um método eficaz de erradicação da doença na América, onde a transmissão inexiste desde 1994.

A infecção aguda pelo vírus da poliomielite pode se manifestar desde quadros assintomáticos, passando por quadros gripais, intestinais, meningite asséptica e sua forma paralítica aguda. A paralisia causada pela poliomielite é, caracteristicamente, assimétrica, flácida e pode acometer centros bulbares de controle da respiração, causando insuficiência respiratória. Cerca de 1% das infecções pelo vírus resultam em quadro paralíticos agudos.

Após a instalação do quadro paralítico, a evolução da doença é para uma recuperação natural da força num período de 2 anos. O que se observa neste período é um gradativo aumento da capacidade funcional, particularmente em membros inferiores, sendo comum os pacientes que deixam de lado o uso de órteses e outros métodos de auxílio à marcha. Essa fase de recuperação é seguida de estabilidade funcional, na qual o paciente não nota ganho ou perda frente a suas incapacidades.

PÓS-PÓLIO

Desde o século passado existem relatos de pacientes com antecedentes de poliomielite que após o período de estabilidade desenvolvem nova fraqueza no membro afetado e, eventualmente naqueles membros não acometidos. Em meados dos anos 70, pacientes vitimados pela poliomielite começaram a notar que essa nova fraqueza não era uma curiosidade médica, mas sim um achado freqüente e cunharam o termo Síndrome Pós-Pólio para definir esse novo conjunto de sintomas tardios da doença.

Logo após a descrição da doença, uma grande leva de pacientes com sintomas diversos começou a surgir, criando alguma confusão quanto ao que seria realmente essa nova síndrome.

A definição atual da síndrome pós-pólio inclui alguns critérios diagnósticos:

quadro prévio de poliomielite

período de estabilidade funcional de ao menos 15 anos

nova fraqueza em membro previamente acometido ou não

fadiga

dor no aparelho locomotor

ausência de outras doenças que expliquem a ocorrência dos sintomas

ORIGEM DA SÍNDROME

Sabe-se atualmente que a origem dessa nova fraqueza e fadiga não se devem a uma reativação viral, mas sim à uma sobrecarga dos músculos e nervos relacionados ao segmento do corpo que foi acometido pela paralisia. Assim, por exemplo, um paciente que ficou com fraqueza na coxa direita e não consegue estender seu joelho direito de forma adequada, mas continua andando sem aparelhos ou bengalas está mais propenso a desenvolver fadiga local e nova fraqueza.

A dor articular é explicada pelo desarranjo de forças musculares e sobrecarga local que ocorre em virtude de suas tentativas de compensação. O paciente pode apoiar-se sobre um membro de forma inadequada ou realizar movimentos anômalos, causando tensão nas articulações e músculos, que se tornam fontes de dor.

A fadiga é explicada pela dor, a fraqueza, tipos de personalidade e acometimento de certas estruturas do sistema nervoso central que são responsáveis pela atenção e concentração.

DIAGNÓSTICO

O diagnóstico desta síndrome é clínico, ou seja, não existe exame laboratorial que comprove o que o paciente tem. O médico deve tomar como base apenas os relatos do paciente de perda de força e fadiga.

TRATAMENTO

O tratamento da síndrome pós-pólio deve ser multidisciplinar. Ao médico cabe o diagnóstico da síndrome e o tratamento de doenças associadas que podem estar complicando o quadro (respiratórias, cardíacas, anemia entre outras), a prescrição de órteses, e medicamentos que possam melhorar a capacidade funcional também são da sua responsabilidade, assim como o acompanhamento da evolução do paciente.

O controle da dor pode ser realizado por uso de calor, frio, correntes elétricas e medicamentos, mas a fisioterapia incluindo exercícios físicos de alongamento é fundamental.

A terapia ocupacional, instruindo técnicas de economia de energia, é de grande valia para evitar fadiga. O condicionamento físico, seja por natação, caminhadas ou bicicleta ergométrica também aumenta a capacidade funcional do paciente.

Finalmente, é fundamental deixar claro para o paciente que uma nova estruturação de horários e tarefas diárias é necessária, com o fim de reduzir seu gasto de energia. Períodos de repouso são recomendados no meio da manhã e da tarde, e uma parada para dormir é indicada após o almoço.

O tratamento deve ser sempre complementado com outras formas de redução do gasto energético, tais como uso de bengalas e muletas, aparelhos ortopédicos e locomoção com veículos motorizados.

Observa-se que o segmento desses princípios de tratamento resulta em ganhos funcionais satisfatórios, mostrando que mesmo este efeito tardio da poliomielite pode ser compensado, quando bem estudado do ponto de vista clínico.

A síndrome pós-pólio é um exemplo de que a incapacidade adquirida não deve ser encarada nunca como algo estável e imutável. O envelhecimento e o avanço de deformidades deve ser sempre seguido por um profissional médico de reabilitação com o objetivo de antever essas complicações e tratá-las antes que surjam de forma efetiva.

Texto produzido pela DMR-Divisão de Medicina de Reabilitação do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

A lição da mosca


Certa vez, duas moscas caíram num copo de leite... A primeira era forte e valente. Assim, logo ao cair, nadou até a borda do copo. Como a superfície era muito lisa e suas asas estavam molhadas, não conseguiu escapar. Acreditando que não havia saída, a mosca desanimou, parou de se debater e afundou.
Sua companheira de infortúnio, apesar de não ser tão forte, era tenaz e, por isso, continuou a se debater e a lutar. Aos poucos com tanta agitação, o leite ao seu redor formou um pequeno nódulo de manteiga no qual ela subiu. Dali, conseguiu levantar vôo e sair do copo.
Tempos depois, a mosca tenaz, por descuido, novamente caiu num copo, desta vez cheio de água. Como pensou que já conhecia a solução daquele problema, começou a se debater na esperança de que, no devido tempo, se salvasse. Outra mosca, passando por ali e vendo a aflição da companheira de espécie, pousou na beira do copo e gritou:
\"Tem um A mosca tenaz respondeu: canudo ali, \"Pode deixar que eu sei como nade até resolver este problema.\" lá e suba\". E continuou a se debater mais e mais até que, exausta, afundou na água. SOLUÇÕES DO PASSADO, EM CONTEXTOS DIFERENTES, PODEM TRANSFORMAR-SE EM PROBLEMAS. SE A SITUAÇÃO SE MODIFICOU, DÊ UM JEITO DE MUDAR.
Quantos de nós, baseados em experiências anteriores, deixamos de observar as mudanças ao redor e ficamos lutando inutilmente até afundar em nossa própria falta de visão! Criamos uma confiança equivocada e perdemos a oportunidade de repensar nossas experiências. Ficamos presos a velhos hábitos que nos levaram ao sucesso e perdemos a oportunidade de evoluir.
É por isso que os japoneses dizem que na garupa do sucesso vem sempre o fracasso. Os dois estão tão próximos que a arrogância pelo sucesso pode levar à displicência que conduz ao fracasso. Os donos do futuro sabem reconhecer essas transformações e fazer as mudanças necessárias para acompanhar a nova situação. (De: Os Donos do Futuro-Roberto Shinyashiki) Se a única ferramenta que você conhece é o martelo, todo problema que aparece você pensa que é prego.




segunda-feira, 2 de março de 2009

Evaldo Braga





Biografia

O cantor e compositor Evaldo Braga viveu apenas vinte e cinco, pois sua estada nesse planeta foi interrompida bruscamente num acidente na noite de 31 de janeiro de 1973, na antiga rodovia BR 3 – Rio – Belo Horizonte, numa mortífera batida do automóvel que dirigia contra um caminhão.
No quarto de século em que viveu, o cantor percorreu uma trajetória bastante peculiar, marcada pela tragédia pessoal e pela aclamação popular. Conviveu de forma intensa com a tristeza e a alegria, a sarjeta e a glória, tudo percorrido na velocidade de um cometa.
Evaldo passou a infância no antigo SAM – Serviço de Amparo ao Menor, depois de ter sido encontrado numa lata de lixo, abandonado que fora por sua mãe, ao que consta uma prostituta, logo ao nascer. Cresceu com essa marca e muito sofreu ao saber de sua história, procurando uma maneira de superá-la através do trabalho, da arte e por fim, da bebida.
Passados os dias de infância no SAM, o jovem negro, assim como tantos outros lá internados naqueles tempos, saiu a procurar uma maneira de ganhar a vida, e também como tantos outros jovens negros como ele pelas cidades brasileiras, passou a trabalhar como engraxate.
Passava os dias engraxando sapatos na Rua Mayrink Veiga, perto da famosa Praça Mauá, rua onde ficava a não menos famosa Rádio Mayrink Veiga e ali acabou por fazer contato com os artistas daquela Rádio e pouco a pouco foi acalentando o desejo de se tornar cantor.
Foi quando conheceu o produtor e compositor Osmar Navarro, que gostou de sua voz e da maneira dele pronunciar bem cada palavra e o apresentou ao produtor Jairo Pires da gravadora Polydor, que andava procurando um cantor que fizesse frente à Nilton César contratado de outra gravadora.
Evaldo Braga lançou seu primeiro disco em 1971, e logo se tornou um sucesso com a música “A cruz que carrego”, de autoria de Isaías Souza, com uma carga dramática e autobiográfica incrível em versos como “Sinto a cruz que carrego bastante pesada, já não existe esperança no amor que morreu/a solidão e amargura/sempre me marcaram” que imediatamente podem ser remetidos a todo seu drama. O fato é que essa composição caiu logo no gosto popular e mesmo que a crítica especializada da época não desse muita importância a ele, nem ao menos se dando ao trabalho de avaliar seus dotes vocais e muito menos querendo travar qualquer contato com as músicas que cantava, seu sucesso aumentou, e em 1972, ele lançou “O ídolo negro – volume 2”
Esse seu segundo LP que contou com os arranjos dos maestros Waltel Branco e Perucci apresentou novamente uma ambigüidade temática que tanto podia levar a ilações quanto a um relacionamento amoroso desfeito, logicamente a interpretação mais imediata, como remeter também a sua biografia e ao abandono sofrido na infância.
O maior exemplo disso é “Eu não sou lixo”, parceria sua com Pantera, e que remete diretamente ao seu drama a começar pelo título e por versos como “Eu não sou lixo pra você querer me enrolar/Eu não sou lixo pra você fora jogar meu bem”, que imediatamente podem ser associados ao que a mãe fez com ele. Outras composições desse disco também podem ser utilizadas como uma autobiografia musical senão em suas totalidades, pelo menos em títulos ou frases.
É esse o caso de “Esconda o pranto num sorriso”, de Jacy Inspiração e Marcos Lourenço que diz “Vou pela rua desta vida/E já nem sei/pra onde vou/pra ponde vou/Talvez na curva do destino/Alguém me dê o que você negou”. Ou então de “Não vou chorar”, de sua autoria e Hailton Ferreira que diz: “Pouco me importa que tu voltes novamente/Faz tanto tempo que até me acostumei/Sem teu carinho”, ou então “Tudo fizeram pra me derrotar”, de sua autoria e Izaias Souza, na qual ele canta: “Tudo fizeram pra me derrotar/Não conseguiram ao menos lembrar/Que sem parentes e sem um amor minha sorte vou chorar/Eu já não faço questão de viver/Sem seu amor faço apenas morrer/ (..) Eu sei tudo isso é passado mas nem magoado eu te esqueceria”.
Essas músicas, embora aparentemente remetam a paixão a uma mulher cujo amor se perdeu, lembram imediatamente também o abandono sofrido na infância pelo cantor, cujo trauma nem mesmo o sucesso no mundo artístico, uma verdadeira façanha para alguém com sua história de vida, foi capaz de apagar.
Evaldo Braga faleceu com apenas dois discos gravados. Um terceiro foi lançado no ano de sua morte, mas era na realidade, uma coletânea. Trinta e cinco anos depois de seu falecimento, a música popular brasileira passou por transformações avassaladoras, algumas das quais já se processavam quando de sua morte. Com isso teria ele caído no esquecimento? Não, pelo contrário, seu mito manteve-se vivo na memória popular mesmo que nenhuma estação de televisão se dê ao trabalho de apresentar qualquer especial sobre sua vida e carreira. Em condições normais, ele teria caído no famoso “limbo do esquecimento”, mas, no entanto, mesmo depois de 35 anos, seu túmulo é visitado por romarias de fãs no dia de finados, seus discos continuam a ser adquiridos e podem ser encontrados com facilidade nos locais que cultuam a chamada música brega.
Em levantamento recente feito no site dicionariompb.com.br chegou-se a conclusão que seu nome era o mais pesquisado entre todos os quase sete mil verbetes ali catalogados.
Como explicar esse fenômeno de um artista que a crítica esqueceu como apenas mais um representante da música brega, que para muitos cultores da chamada MPB com letras maiúsculas e garrafais, nem ao menos mereceria uma nota de roda-pé? Talvez essa explicação ou busca de compreensão não passe apenas pela análise formal de suas gravações, seja daquelas músicas compostas por ele ou daquelas que outros para ele compuseram, mesmo que elas falem muito, por um lado, dele mesmo, numa talvez involuntária autobiografia musical, ou sirvam como trilha sonoro de amores baratos e desfeitos na permanente solidão das cidades. Por mais que se buscasse dissecá-las musicalmente nota por nota, ainda assim, haveria quem lhes negasse maior valor exatamente pelo que elas têm de mais valoroso, o gosto e a dicção popular, que muitos até por preconceito logo identificam com som de cabarés. Embora seja certo que o que parece um insulto é na verdade a constatação do quanto as músicas por ele compostas ou gravadas estão entranhadas na musicalidade e na alma popular, e tocam sim nos cabarés onde o amor custa pouco (ou muito dependendo do ponto de vista) e a humanidade exercita de forma explicita suas emoções da maneira mais exacerbada possível.
E não é isso exatamente o que a música braga-romântica faz? Exacerba os sentimentos e lhes dá uma vestimenta que condiz com a alma desbragada de nosso povo, por mais que dizer isso possa parecer tatear no espaço vazio. O fato é que esse derramamento que os intelectuais e membros da elite execram, o povo abraça, e o mais é motivo de discussão, mas que não pode levar a conclusões definitivas sobre o melhor e o pior.
Seja como for, 35 anos depois de sua morte, Evaldo Braga é mais e mais um enigma como pessoa, como artista e como representante artístico dessa face dita bastarda da música popular, execrada e desqualificada pela maioria dos críticos, que é a música brega.
No entanto, a questão aqui não é exatamente discutir o lugar da música brega na música popular brasileira, mas sim, chamar a atenção para o “Ídolo negro”, Evaldo Braga, mesmo sem chegar a conclusões sobre ele e seu sucesso, mas muito mais para homenageá-lo e lançar um pouco de luz sobre esse raro cantor negro cuja carreira, que tinha tudo para ser das mais brilhantes da música popular, foi bruscamente cortada por um golpe da sorte numa curva qualquer de uma estrada brasileira.



Já Entendi




Eu amo sua filha,meu senhor



A cruz que carrego


Sandra de Sá




Biografia

Carioca do bairro de Pilares, cresceu em uma família de músicos, freqüentando blocos e carnaval e bailes funk desde pequena. Nos anos 70 começou a cantar e compor, participando em 1980 do Festival MPB-80 da TV Globo com "Demônio Colorido", de sua autoria, e gravando no mesmo ano o primeiro disco, "Sandra Sá".

Nos anos 80 sua produção foi constante, destacando-se os sucessos de "Vale Tudo", com Tim Maia, "Bye Bye Tristeza" (Marcos Valle/ Carlos Colla) e "Enredo do Meu Samba" (I. Lara/ J. Aragão), que foi tema da novela "Partido Alto", da TV Globo, e representa uma diversificação em sua carreira, até então mais ligada ao funk e soul. Nos anos 90 gravou discos de vários estilos e incorporou o "de" ao nome artístico. Atualmente tem em seu repertório músicas próprias, versões e composições inéditas de outros músicos como Carlinhos Brown e Herbert Vianna.

Em seu mais recente trabalho, Sandra agraceia os fãs com um disco ao vivo, “Música Preta Brasileira”, o primeiro registro ao vivo da cantora. São 18 faixas compostas de hits que marcaram a sua carreira, como "Bye Bye Tristeza", "Sozinha", Solidão", "Joga Fora" e "Retratos & Canções", além de participações especiais de Toni Garrido, Alcione e Luciana Mello (em “Black Is Beautiful”), Gabriel O Pensador (“Bora Lá Pro Baile”). Além disso, uma faixa inédita "Com Você Fica Tudo Melhor" e a regravação de "As Dores Do mundo", sucesso na voz de Hyldon.



Bye Bye Tristeza




Soul de Verão



Joga Fora no Lixo




Olhos coloridos


Sidney Magal


Biografia

Nascido em uma família de artistas, começou a cantar em programas infantis de televisão, mais tarde trabalhando também na noite, em boates e casas noturnas. O sobrenome artístico surgiu em uma excursão pela Europa. Apareceu na mídia nos anos 70 como um cantor de músicas bregas, sensuais e românticas, causando furor entre as fãs. Seu primeiro sucesso foi um compacto com a sugestiva música "Se Te Agarro Com Outro Te Mato". Incorporando elementos da música cigana (ou que se diz cigana), da disco music e da música latina, se tornou popular, presença constante em programas populares de televisão. Também trabalhou em cinema, estrelando o filme "Amor Latino", em que interpretava a si próprio. Seus shows atraem um público em sua maioria feminino, que ao final ataca o ídolo, buscando levar pedaços da roupa como recordação. Nos anos 90 buscou mudar um pouco a sua imagem, gravando um CD de jazz e bossa nova, acompanhado de uma orquestra. Em seguida regravou seus antigos sucessos para a coletânea "Discoteca do Chacrinha". Seus maiores sucessos foram "Sandra Rosa Madalena", "Meu Sangue Ferve por Você", "Tenho" e "Me Chama que Eu Vou".

"Amante Latino" - Trash 80's




" O meu sangue ferve por você. "

Antônio Marcos


Biografia

Destacou-se em programas de calouros televisivos na década de 60 como cantor, violonista, ator e humorista. Fez parte da Jovem Guarda, atuou em teatro (nos espetáculos "Hair" e "Arena Conta Zumbi") e cinema e gravou 12 LPs solo, além de participações. Seu primeiro sucesso foi "Tenho um Amor Melhor que o Seu" (Roberto/ Erasmo Carlos), presente em seu primeiro LP. Também se destacaram suas gravações de "Oração de um Jovem Triste" (Alberto Luís) e "O Homem de Nazaré" (C. Fontana), lançado em 1973. Sua música "Como Vai Você" (com Mário Marcos) foi gravada por Roberto Carlos com grande êxito, e regravada recentemente por Hebe Camargo em seu disco "Pra Você".

E não vou deixar mais você tão só



Sonhos de Um Palhaço

Conquiste a Paz

Photobucket

Deficiência

Deficiência
Deficiente é aquele que não consegue modificar a vida, aceitando as imposições de outras pessoas ou da sociedade em que vive, sem ter consciência de que é dono do seu destino.

Células Tronco

Células Tronco

NOBREZA

NOBREZA

LIBERDADE

LIBERDADE
Porque a liberdade tem que ser uma conquista individual para depois se tornar um enorme plural...

LUNNA

LUNNA
UNA BELLISSIMA LUNA PIENA

Limitação

Limitação
Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: Quero é uma verdade inventada. Clarice Lispecto

OSHO

OSHO
"Cada um é único e incomparável. Você é apenas você mesmo: ninguém nunca foi como você e ninguém nunca será como você. E você também não precisa ser nenhum outro." OSHO

Como uma borboleta

Como uma borboleta
Mas o que realmente era preciso era pensamento positivo. Que poderia ser livre, bem aceita, e voar leve, por onde desejasse. Que pensasse em ser borboleta o tempo todo e tudo poderia ir mudando, até que, mais rápido do que ela imaginasse, ela sairia do casulo, como uma borboleta.

AMOR

AMOR
O ódio revela muita coisa que permanece oculta ao amor. Lembra-te disso e não desprezes a censura dos inimigos.

COLO DE MÃE É UMA DELICIA!

COLO DE MÃE É UMA DELICIA!

PRECE A MÃE TERRA

PRECE A MÃE TERRA
foto

Secret

Secret

Relogio

relojes web gratis

clima

pais on line